home / Tabus /

Educação sexual. O amor é um jogo a dois

 

EDUCAÇÃO SEXUAL. O AMOR É UM JOGO A DOIS

 

Devemos alternar entre momentos de dar e receber

A importância do direito da mulher ao prazer. O prazer sexual, desconectado ou não do objetivo da procriação, é um direito da mulher, tal como do homem, e esta é uma realidade que deve ser percebida. É importante que os homens jovens aprendam que, no ato sexual, uma boa relação entre parceiros apenas se consegue se ambas as partes satisfizerem as suas necessidades e expectativas.

A reciprocidade numa relação é capaz de criar uma intimidade sólida e uma cumplicidade que mantêm o desejo vivo. Contudo, as mulheres são de Vénus e os homens de Marte, e as diferenças entre os sexos são igualmente válidas para o prazer sexual. Num homem, a sexualidade é sinónimo de autoafirmação e posse. Durante o ato, este encontra-se concentrado em obter prazer e controlar o seu desempenho sexual. A mulher, por seu lado, sente o ato sexual como um jogo que deve ser desempenhado em partes iguais. Para ela, o cenário ideal do prazer reside precisamente no facto de nenhuma das partes procurar dominar a outra. Se a maioria das mulheres encara a sua primeira experiência sexual como um presente para o outro, grande parte dos homens entendem-na como um "estigma" do qual se livraram.

De que forma podem, então, dois mundos tão distantes um do outro alcançar um estado de satisfação sexual mútua? Foi desenvolvido um modelo, denominado "Modelo de Reciprocidade", baseado em duas teorias:

  • A teoria da troca;
  • A teoria da igualdade.

A teoria da igualdade considera a relação do casal como um investimento: custos e benefícios, disponibilidade de tempo e recursos a extrapolar, de forma a receber companhia e prazer sexual. Claro que uma relação irá durar mais, se os benefícios ultrapassarem os "custos". No que respeita à teoria da igualdade, a mesma obriga a que os dois parceiros recuperem exatamente o que colocaram em jogo, com base num jogo limpo, assegurando uma relação duradoura. Em resumo, parece que, para se conseguir uma reciprocidade sexual, tudo o que é necessário é guiar o parceiro através das nossas preferências e, por sua vez, prestarmos atenção às preferências do outro. Devemos alternar entre momentos de dar e receber durante o sexo.